9 de mai de 2016

Filme: Helen Mirren e Ryan Reynolds em "A dama dourada"

Calma, não é necessariamente spoiler😁 
O final será preservado para os interessados em assistir o filme. 

Imagens: Reprodução
Quando se trata de apropriar-se de bens alheios, o ser humano é mesmo um expert no assunto. O filme (baseado em fato reais) conta a história de Maria Altmann, uma judia austríaca sobrevivente da 2ª guerra, radicada nos EUA, que decidiu travar uma das batalhas judiciais mais famosas do mundo das artes. 

Imagens: Reprodução
Como consequência da invasão nazista a Àustria, a influente família Bloch-Bauer teve seu apartamento invadido e toda sua coleção de obras de arte apreendida. Muitos anos depois, com a ajuda do jovem e inexperiente advogado Randol Schoenberg, Altmann trava uma difícil batalha judicial tendo que enfrentar terríveis traumas do passado cometidos pelo regime nazista para reaver as obras de arte roubadas de sua família. Entre elas estava o quadro "A Dama Dourada" do pintor Gustav Klimt, considerado a Mona Lisa da Áustria. O quadro na verdade era o retrato de sua tia Adele pintado em 1907.

Imagens: Reprodução
Divido em passado e presente, o filme alterna cenas dos dias atuais com flashbacks das memórias de Maria para oferecer o máximo do realismo histórico ao telespectador. Helen Mirren, que interpreta a protagonista, aparece plastificada e forçando um sotaque londrino/austríaco. Já Ryan Reynolds, no papel do advogado, não me surpreendeu com sua temperatura quase sempre morna.
A história é muito interessante, mas o diretor passa por cima de importantes considerações de vários personagens e reforça os clichês melodramáticos de outros, o que é normal quando se tratam de adaptações.

O filme é uma luta entre costumes e tradições contra a sensibilidade e a justiça, mas também é, e não pode deixar de ser percebido, uma prova incontestável que o tempo e o cotidiano não tiram de nós as marcas profundas que a intolerância grava em nossas mais íntimas lembranças.
O número de casos de restituição de coleções roubadas durante a Segunda Guerra tem crescido na última década. Esse interesse tardio é compreensível, afinal o número de perdas de vidas humanas durante este período foi tão catastrófico que este era o tema que menos importava durante as décadas que se seguiram. Vale lembrar que ainda há mais de 100 mil obras de arte daquele período desaparecidas.

FICHA TÉCNICA

A Dama Dourada (Woman in Gold)
Reino Unido, EUA, 2015.
Duração: 109 min.
Direção: Simon Curtis
Elenco: Helen Mirren, Ryan Reynolds, Daniel Brühl. Katie Holmes, Tatiana Maslany
© Trend S/A
Maira Gall