13 de jul de 2016

os sofrimentos do ego

"Às vezes eu me perco de mim e já nem sei onde eu tô, se era no início, no meio, ou se eu tava no fim. E logo que me perco, me procuro, não encontro, desespero e fico ali tentando lembrar quem eu sou, o que eu quero. Percebo que fiquei perdida por muito tempo e tantas coisas deixei pelo caminho, armadilhas do ego, quero de volta, eu tô sozinho. Me busco mais um tempo, logo, recordo: sou minha melhor companhia. E por mais que a gente queira muitas coisas, o amor por mim era mesmo tudo que eu queria. E aí me encontro. Me dou um abraço, me expando pelo espaço, sou dona do mundo e por mais que navegue às vezes pelo raso, eu sempre vou ser profundo."



© Trend S/A
Maira Gall